quinta-feira, 12 de outubro de 2017

A FLOR QUE INUNDA



... pouco me impressionam
as coisas,

mas,
trajando-te luz,

é incrível
como estás assim tão

efusiva,
vivaz
e paradoxalmente morta!