sábado, 12 de agosto de 2017

MAR E PLANÍCIE



Com teu mar,
quiseste inundar a planície,
onde te cismaste
bela e cândida
borboleta,

a flutuares
em sonhos que não havia
em teu reino líquido

e a te aninhares
aos colos e leitos dos vicejantes
habitantes dos jardins.

Em fome insaciável,
aspergi-te o corpo em nuvem,
com versos e melodias
secas;

e inventei-te
quimeras ao ubíquos intentos,
até que minha planície
secou teu mar.

Esgotada do néctar
com que eu te embriagava,
vi-te serpenteando por outras searas,
onde outros pássaros regozijavam-te
os mesmos sonhos
vãos.

Com a alma incendiada
– eu que não queria outro mar,  nem outro amar –,
rasguei em dor minhas peles áridas e revelei-te
os rios sombrios de meu subsolo,
abrindo rotas para
tua libertação.
​​​​​​​
E então,
tu te foste de mim
a te choveres sublimemente
em outros cantos
e em outros
encantos.