domingo, 18 de junho de 2017

ÁGUIA PERDIDA



Enquanto
te voas por aí,
entre promissores
jardins,

ainda te abraço,
beijo-te e faço amor
com teu corpo
ausente;

e, diante de teus olhos
invisíveis, também choro
nessa prisão de amor
incandescente.